terça-feira, 8 de novembro de 2011

HIPOTIREOIDISMO - O INIMIGO OCULTO

    Todos nós já ouvimos falar algo sobre a glândula Tireóide e como seu desequilíbrio pode afetar nossas vidas. Se ela trabalha demais, dá problema. Se de menos, também. Então, a glândula Tireóide é nossa amiga ou inimiga? Definitivamente, amiga. Embora seja uma amiga exigente e manhosa, daquelas que exigem um tratamento 5 estrelas para se comportar como deve. Quando maltratada, ou esquecida, começa a alterar sua atividade, na maioria das vezes de modo insidioso, levando silenciosamente a desequilíbrios importantes que podem (pasmem!) colocar em perigo a nossa própria sobrevida. Utilizando um aforismo de Muhamad Ali, " Com a forma de uma borboleta, e a picada de uma abelha."

    Vamos analisar essa glândula, seu papel metabólico e suas necessidades nutricionais, para entender melhor a colocação acima. A glândula Tireóide é uma pequena glândula em formato de borboleta, localizada à frente da traquéia (no pescoço) logo abaixo do pomo-de-Adão. A Tireóide secreta os hormônios tireoidianos Tiroxina (T4) e Triiodotironina (T3), que controlam a velocidade (rapidez ou lentidão) das diversas funções bioquímicas do corpo (Taxa Metabólica).

    Esses hormônios tireoidianos podem influenciar a Taxa Metabólica de duas maneiras:
     - eles estimulam praticamente todos os tecidos do corpo a produzir proteínas.
     - eles aumentam o consumo de Oxigênio pelas células, acelerando o metabolismo celular.

    Essas ações dos hormônios tireoidianos se refletem em muitas funções vitais, como: frequência cardíaca, frequência respiratória, gasto calórico total, temperatura corporal, saúde da pele, unhas e cabelos, velocidade de crescimento, fertilidade, digestão, peso corporal, etc.

    A Tiroxina (T4) é o hormônio produzido em maior quantidade pela Tireóide, e o mais abundante no organismo, correspondendo a aproximadamente 80% da carga total de hormônios tireoidianos circulando no sangue. O T3 responde pelos 20% restantes. O T4 regula funções essenciais como digestão, crescimento físico e desenvolvimento mental, mas é praticamente inativo na aceleração da Taxa Metabólica (gasto calórico total do organismo). Nesse caso, o hormônio metabolicamente ativo é o T3, no qual o T4 se converte ao perder uma molécula de Iodo. A conversão de T4 em T3 ocorre no fígado e em outros tecidos periféricos.

    A função tireoidiana é afetada pelos seguintes fatores:
    - qualidade da dieta - o estado de fome e dietas pobres em proteínas e ricas em carboidratos prejudicam a conversão de T4 em T3. Consumo adequado de água e Ômega 3 melhoram a função dos receptores para hormônios tireoidianos.
    - estado nutricional - déficit de Selênio, Potássio, Iodo, Ferro, Zinco, Cobre, Vitaminas A, B2, B3 e C afetam negativamente a conversão hormonal acima.
    - nível de Estresse - reduz a conversão de T4 em T3 por alterar níveis de Cortisol e acelera o envelhecimento da Tireóide.
    - doenças crônicas, inflamações e intoxicações - doenças renais e hepáticas, intoxicação por Cádmio, Mercúrio e Chumbo reduzem a conversão de T4 em T3. Doenças inflamatórias reduzem a função tireoidiana.
    - ações metabólicas de outros hormônios - GH, Testosterona, Insulina, Glucagon e Melatonina melhoram a conversão hormonal. Uso de anticoncepcionais reduz a função tireoidiana.
    - necessidade corporal de T3 a cada momento. A atividade física estimula a conversão hormonal. O sedentarismo a prejudica.

    A alteração patológica mais frequente da Tireóide, e nosso tema de hoje, é a diminuição da sua atividade, levando à doença conhecida como Hipotireoidismo. A elevação patológica da atividade tireoidiana, conhecida como Hipertireoidismo é muito menos frequente. Os sinais clínicos mais comuns no Hipertireoidismo estão relacionados à aceleração do metabolismo corporal e são:
    - ansiedade elevada,
    - perda de peso, apesar do apetite exacerbado,
    - tremores de extremidades - dedos e mãos,
    - sudorese intensa,
    - pele quente e úmida, mãos suadas e pegajosas,
    - intolerância ao calor (pessoa "calorenta"),
    - aumento da frequência cardíaca (taquicardia),
    - cabelos precocemente grisalhos, finos e macios,
    - trânsito intestinal acelerado (diarréia frequente)
    - aparência de olhos de desenho animado (olhos saltados).

    Já no Hipotireoiedismo os sintomas estão ligados à queda do metabolismo orgânico. Existem mais de 100 sintomas ligados à deficiência da Tireóide, alguns insuspeitos como aumento da produção de cerúmen no ouvido e prurido (coceira) no canal auditivo. Os mais frequentes estão listados abaixo:
    - intolerância ao frio (pessoa "friorenta"),
    - sintomas de má circulação periférica (extremidades frias, câimbras, edema de mãos e pernas, sensação de formigamento ou dormência nas extremidades),
    - fadiga matinal (acordar com dificuldade para levantar, conhecida como "preguiça"),
    - ganho progressivo de peso, ou dificuldade para emagrecer,
    - pele e mucosas secas (lábios e olhos secos), ausência de sudorese,
    - constipação crônica ("intestino preguiçoso", apesar da ingestão de fibras e água),
    - cabelos finos, opacos, ressecados e quebradiços, queda de cabelos e sobrancelhas,
    - palmas das mãos e plantas dos pés com coloração amarelada, unhas quebradiças,
    - déficit de memória, dificuldade de concentração e raciocínio lento,
    - queda de energia e sonolência durante o dia,
    - tendência para "Depressão",
    - redução da frequência cardíaca (bradicardia).

    Embora a maioria de nós conheça a Tireóide como a glândula que, quando hipofuncionante, causa sobrepeso progressivo, ela é bem mais importante para o metabolismo corporal e a sua disfunção, bem mais perigosa. Devido ao fato de o Hipotireoidismo ser de início insidioso e pouco sintomático (os sintomas só se tornam mais evidentes após uma queda importante da função tireoidiana), uma pessoa pode sofrer de Hipotireoidismo e permanecer sem diagnóstico por um longo período de tempo, o que pode levar a sérias complicações relacionadas à qualidade de vida e, mesmo, à sobrevida.

      Com relação à sobrevida, segundo o pesquisador americano Dr. D. Browsten, a diminuição da produção de Triiodotironina (T3) causa elevação importante dos níveis de Colesterol, principalmente LDL-Colesterol (também conhecido como Colesterol “ruim”), sendo um dos fatores mais importantes na Aterogênese (formação das famosas placas de ateroma que obstruem os vasos), elevando sobremaneira o Risco Cardiovascular nas pessoas que sofrem de Hipotireoidismo não tratado, ou tratado de modo insuficiente (Overcoming Thyroid Disorders, Medical Alt. Press, 2002). As pesquisas do Dr. N. Rouzier confirmam esse dado, e o mesmo afirma que disfunções da Tireóide estão associadas a doenças cardíacas (Longevity and Preventive Medicine Symposium, 2002).

    A qualidade da memória pode ficar bastante alterada no Hipotireoidismo pois a queda dos hormônios tireoidianos causa diretamente a queda do hormônio Pregnenolona, responsável pelo bom funcionamento do centro da memória (Tagawa. N., Clinic Chem, 2000). Esses são alguns exemplos de como a disfunção da Tireóide afeta mais que apenas o peso corporal.

    Vamos analisar resumidamente a cadeia de funcionamento dos hormônios tireoidianos:

HIPOTÁLAMO (CÉREBRO) PRODUZ TRH PARA ESTIMULAR A HIPÓFISE

HIPÓFISE (CÉREBRO) RESPONDE PRODUZINDO TSH PARA ESTIMULAR A TIREÓIDE
TIREÓIDE RESPONDE PRODUZINDO HORMÔNIOS T4 E T3
HORMÔNIOS VIAJAM NO SANGUE (LIGADOS À PROTEÍNA DE TRANSPORTE TBG) ATÉ OS TECIDOS E ÓRGÃOS-ALVO
PARTE DO T4 SE TRANSFORMA EM T3 (NOS TECIDOS E ÓRGÃOS-ALVO)
AMBOS OS HORMÔNIOS SE LIGAM AOS RECEPTORES CELULARES
RESPOSTA CELULAR
EQUILÍBRIO METABÓLICO

    Como se faz o diagnóstico de doença tireoidiana? Após a exposição das queixas e o exame físico do paciente durante a consulta, o médico pede alguns exames laboratoriais e de imagem. Os mais solicitados no meio médico aqui no Brasil são: T4 livre, T4 total, T3 livre, T3 total, TSH (Hormônio Estimulador da Tireóide), Anticorpos Anti Tireoperoxidase (AntiTPO) e anti Tireoglobulina (Anti TG), e Ultrassom de Tireóide com Doppler. Precisamos lembrar que os exames de laboratório e de imagem são complementares. De fato, não faz sentido se tratar qualquer pessoa baseando-se somente no que os exames mostram. Precisamos "enxergar" e "escutar" o paciente. Claro que, quando os exames laboratoriais estão alterados e o paciente apresenta queixas compatíveis com a nossa suspeita diagnóstica, fica tudo mais fácil. A questão é: e quando a pessoa tem várias queixas sugestivas de Hipotireoidismo, mas os exames laboratoriais estão dentro da faixa de variação considerada "normal", como proceder?

    Primeiro precisamos entender que existe uma diferença crucial entre nível normal e nível ótimo, quando falamos de exames laboratoriais relacionados ao metabolismo orgânico. Nível normal é aquele que se encontra na maioria das pessoas aonde a doença ainda não se estabeleceu de forma clara, e envolve uma faixa de variação muito extensa dentro da população. Já nível ótimo é uma pequena faixa, situada dentro do nível normal, onde a pessoa tem um perfeito funcionamento do órgão/glândula examinado. Vamos tomar o TSH como exemplo. A faixa de variação considerada normal difere de acordo com o método de medição utilizado por determinado laboratório, mas varia de aproximadamente 0,50 uIU/mL a aproximadamente 5,00 uIU/mL. Então vamos pensar: como o TSH é um hormônio liberado pela glândula Hipófise, para estimular a Tireóide a produzir T4 e T3, será que uma pessoa cuja Tireóide está necessitando de menor estímulo para "trabalhar" está na mesma situação de outra, cuja Tireóide está precisando de um estímulo maior para responder de modo equilibrado? Em outras palavras, será que a Tireóide de uma pessoa cujo TSH está 0,50 está igual à Tireóide de outra, cujo TSH está 5,00? Óbvio que não. A Tireóide de quem tem TSH de 5,00 está mais lenta que a de quem tem TSH de 0,50, embora ambos os resultados sejam tidos como normais. Aqui entra o conceito de nível ótimo. Para o TSH, antigamente era 3,0. Pesquisas atuais vem baixando esse nível e,  hoje, o TSH é considerado ótimo quando está no máximo em 1,0 (Congresso Latino-Americano de Antienvelhecimento, 2011). O que isso significa: a pessoa cujo TSH está até 1,0 tem um excelente funcionamento da Tireóide.

    O conceito de Hipotireoidismo Subclínico se baseia, em parte, nessa premissa. Seria o Hipotireoidismo que ocorre em pessoas com pouca ou nenhuma alteração dos níveis hormonais da Tireóide (T3, T4 e TSH). Além de possível, esse quadro é bastante comum. Grande parte das pessoas que sofre de Hipotireoidismo não têm seu diagnóstico feito por conta de seus exames estarem dentro da faixa dita normal. Vamos atentar para o que foi dito acima. Esses exames são complementares, apenas auxiliam o raciocínio do médico (ou, pior, atrapalham). Pode ocorrer Hipotireoidismo com níveis hormonais normais de T4 e T3; basta, para isso, que o organismo produza os hormônios mas os mesmos, por uma série de fatores, não atuem de modo apropriado. Respondendo agora à questão acima: se a pessoa tem quadro clínico de Hipotireoidismo, mesmo com exames dentro da faixa considerada normal, é aconselhável o tratamento. O tipo de terapia vai depender do nível de desequilíbrio, nesse caso avaliado pela sintomatologia, e pode incluir suplementação nutricional, correção da alimentação e, mesmo, reposição de hormônios tireoidianos.

    As causas que concorrem mais comumente para o Hipotireoidismo Subclínico são:
    - incapacidade de o T4 se transformar em T3, na quantidade necessária. Lembremos que o hormônio tireoidiano metabolicamente ativo é o T3. Estão envolvidos nesse caso doenças, distúrbios nutricionais e utilização de alguns medicamentos.
    - alteração da função dos receptores celulares para os hormônios tireoidianos. Se o hormônio não se atrelar de modo eficiente ao seu receptor celular, não vai poder agir. Os sintomas que surgirão seram iguais aos gerados por uma queda da produção dos hormônios, mas o laboratório vai mostrar os hormônios em níveis normais ou discretamente elevados.

    Resumindo o que foi exposto acima: existem vários "elos" na cadeia de ação dos hormônios tireoidianos onde pode ocorrer uma alteração que leve ao Hipotireoidismo. O problema pode ocorrer no Hipotálamo, na Hipófise, na Tireóide, no transporte dos hormônios através do sangue, na conversão de T4 em T3 e nos receptores celulares, sendo que alterações nos 4 últimos elos da cadeia podem levar ao Hipotireoidismo Subclínico. 

    Outro ponto importante, que não pode ser esquecido quando se trata Hipotireoidismo. Os medicamentos industrializados disponíveis no mercado nacional, para tratar Hipotireoidismo, contêm apenas a Tiroxina (T4). Então, dentro do organismo, parte do T4 ingerido deve ser convertido em T3, que é o hormônio metabolicamente ativo. Para quem consegue realizar essa conversão sem problemas, a reposição de T4 isolado dá resultado. Mas, e para quem não consegue? Estamos falando daquelas pessoas que estão tratando Hipotireoidismo com medicamentos que contêm apenas T4, as dosagens laboratoriais de T4 e TSH estão dentro da faixa considerada normal e, mesmo assim, elas não melhoram muito das queixas iniciais.

    O que você pode fazer para prevenir, ou tratar, Hipotireoismo?
    - visite periodicamente o seu médico e faça dosagens hormonais de rotina para avaliar a Tireóide. Devem ser dosados os níveis de T4 livre, T3 livre e TSH. Como doenças de Tireóide podem ter um componente genético, é indicado que os exames laboratoriais sejam realizados de rotina em crianças e adolescentes que tenham história familiar positiva para esses problemas.
- Se você já está em tratamento de Hipotireoidismo, deve dosar também T3 reverso pois, quando o T4 é convertido em T3, uma parte dele pode originar o T3 reverso, que é metabolicamente inativo,

USO DE MEDICAMENTOS QUE CONTÊM APENAS T4

T4 “PERDE” UMA MOLÉCULA DE IODO (CONVERSÃO PERIFÉRICA DE T4 EM T3)
                                              
T3 LIVRE (ATIVO)                    T3 REVERSO (INATIVO)

    - se indicado, faça reposição de hormônios tireoidianos bioidênticos (T4 e T3) e Iodo orgânico.
    - reduza consumo exagerado de carboidratos e aumente a ingestão de proteínas de alto valor biológico,
    - evite dietas "da moda", que nos fazem passar fome e reduzem a conversão periférica de T4,
    - aumente a ingestão de verduras e frutas, que são ricas em vitaminas e sais minerais. Se indicado, faça suplementação de vitaminas e minerais (ver vitaminas e minerais listados acima),
    - se você tem sintomas de Hipotireoidismo, mesmo que os exames estejam dentro da faixa normal, evite os seguintes alimentos: soja, espinafre, nabo, rabanete, couve-flor, couve-de-Bruxelas, amendoim, morango, pêssego, pêra, pães cuja massa contêm fermento (há brometo no fermento para panificação). Esses alimentos reduzem a função tireoidiana e a conversão periférica de T4.
    - utilize água mineral para beber e cozinhar alimentos (não clorada e não fluorada) e prefira pasta de dentes sem flúor. Flúor, Cloro e Bromo são da mesma família do Iodo (lembra da Tabela Periódica?) e, se você tem deficiência de Iodo, a sua Tireóide vai querer utilizar esses elementos para produzir hormônio. Resultado: hormônio tireoidiano inativo.
    - faça exercícios físicos regularmente. Se tem sintomas de Hipotireoidismo, faça atividade física de 4 a 6 vezes na semana, mínimo de 30 a 60 minutos. Auxiliam a conversão periférica de T4.
    - faça exercícios respiratórios regularmente. Exercícios de respiração profunda elevam a concentração de Oxigênio dentro das suas células.
    - evite, se possível, exposição a Xenoestrógenos ambientais (ver texto Xenoestrógenos: Nosso Futuro Roubado nesse blog) e uso de Anticoncepcionais. Reduzem função tireoidiana e a conversão periférica de T4; aumentam os níveis de TBG (globulina de transporte, que "sequestra" T4 e T3) causando redução nos níveis de T4 livre e T3 livre.
    - mulheres que passaram pela Menopausa devem ter um cuidado extra com a Tireóide pois, nessa fase, aumenta a incidência de disfunção tireoidiana. Lembre-se que o organismo envelhece como um todo, ou seja, a Tireóide também envelhece, assim como todas as glândulas e órgãos.

    Como Hipotireoidismo é um assunto realmente extenso, demos apenas algumas pinceladas sobre o que é mais importante. Espero que essa breve exposição possa ajudar as pessoas portadoras de Hipotireoidismo, Subclínico ou não, a entender o que ocorre nos seus organismos.

    Uma boa semana para todos.

26 comentários:

  1. tenho hipotiroidismo e comecei a tratar faz alguns dias,estas informações foram excelentes e bem esclarecedoras

    ResponderExcluir
  2. Mto esclarecedor. Excelente!!!

    ResponderExcluir
  3. Descobri, recentemente,ter tireoidite de Hashimoto. Seu texto esclareceu várias coisas. Desde o diagnóstico, estou estarrecida com a falta de informação a respeito dessa enfermidade. =T

    ResponderExcluir
  4. Nunca tinha lido um texto tão completo sobre problemas da tireoide. Muito bom! Tive hipertireoidite de Hashimoto por 14 anos e há 4 meses fiz TT. Estou agora na fase de ajustar a medicação. Muito obrigada por esse texto de tão boa qualidade!

    ResponderExcluir
  5. Excelente. Cheguei à procura sobre T3 reverso e me deparei com um texto pedagogicamente impecável.
    Parabéns.

    ResponderExcluir
  6. No texto abaixo tem deve-se fazer uma correção: o correto é IODO INORGÂNICO.

    "....se indicado, faça reposição de hormônios tireoidianos bioidênticos (T4 e T3) e Iodo orgânico.

    ResponderExcluir
  7. Excelente texto, muito didático. A dúvida ficou mesmo no comentário acima. Qual o tipo de iodo ou iodeto que as pessoas repõem com segurança. Inorgânico (lugol) ou orgânico ( kelp)?

    ResponderExcluir
  8. Dra muito bem explicado, porém tem um erro no trecho abaixo que acredito que passou despercebido:
    "- se indicado, faça reposição de hormônios tireoidianos bioidênticos (T4 e T3) e Iodo orgânico."

    Iodo organico destrói a tireoide, o correto seria solução de Lugol - iodo inorganico. Complementando o texto, jamais deve-se consumir iodo inorganico (iodeto de potássio) sem fazer suplementação de selênio, pois o selenio irá ajudar na produção da enzima deiodinase para converter T4 em T3 e a suplementação de outros minerais, como magnésio, vitamina b12 é fundamental. Além disso, não se deve tomar iodo inorganico sem antes tratar o fungo candida que a maioria das pessoas possuem. Fica aqui minha colaboração com esse excelente artigo.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Amei o texto,a algum tempo tenho procurado algo que fale sobre exames normais, mais com todos os sintomas e não encontrei nada tão esclarecedor, vc pode me dizer como fazer a suplementação com selênio? Tenho exames normais, mas sinto todos os sintomas e tenho nódulo misto na tireóide 2 cm, estou neste momento em tratamento com.cirurgiao de cabeça e pescoço, abandonei o Endocrino pois os 3 que eu passei disseram que não preciso tomar nada, e que tenho que aprender viver com os sintomas... até minhas Sombrancelhas já caíram...se pode ajudar eu ficarei grata.

      Excluir
  9. Eu tive hipertireoidismo no começo de 2014 (autoimune).Tomei tapazol de 10 mg e o quadro inverteu. Aí o médico acrescentou puran T4. A partir de então o TSH está sempre em torno de 5 ou um pouco mais. Afinal, eu tenho hipertireoidismo ou hipotireoidismo? O tratamento está correto?? Meu médico não esclareceu muito bem. Meu cabelo está opaco e minhas unhas quebra dicas. Alguém pode me ajudar, por favor?!!!

    ResponderExcluir
  10. Eu tive hipertireoidismo no começo de 2014 (autoimune).Tomei tapazol de 10 mg e o quadro inverteu. Aí o médico acrescentou puran T4. A partir de então o TSH está sempre em torno de 5 ou um pouco mais. Afinal, eu tenho hipertireoidismo ou hipotireoidismo? O tratamento está correto?? Meu médico não esclareceu muito bem. Meu cabelo está opaco e minhas unhas quebra dicas. Alguém pode me ajudar, por favor?!!!

    ResponderExcluir
  11. Ola´Dra! Fiz exames eetou agora atentando e buscando
    informações. Estava desesperada. Ainda não voltei ao endócrino, e agora muito feliz de encontrar esse
    blog e suas informações. Obrigada!

    ResponderExcluir
  12. ÓTIMO O SEU ARTIGO, ESCLARECEDOR, DIDÁTICO E DE FÁCIL COMPREENSÃO. COMPREENDI COISAS, QUE NUNCA TINHAM SIDO BEM ESCLARECIDAS. PARABÉNS!

    ResponderExcluir
  13. Parabéns,Dra Paula. Fiquei impressionada com sua clareza, discernimento e facilidade de expor seus conhecimentos, que na minha opinião, bem atualizados. Vou indicar seu blog para muitos endocrinologistas e nutrólogos, que ainda utilizam métodos ultrapassados, e quem perde é sempre o paciente.

    ResponderExcluir
  14. Cansei de ir a médicos com todos os sintomas de hipotireoidismo, porém como os exames clínicos dentro da "normalidade", os diagnósticos variavam entre depressão e ansiedade; até que procurei uma nutróloga, que bateu os olhos nos exames anteriores e sugeriu hipotireoidismo subclínico. Os níveis de T4 e TSH estão bons, porém o T3 está um pouco baixo. Ela receitou lugol e suplementação de selênio e zinco. Ainda não iniciei o tratamento (a consulta foi ontem, e procurei informações na net até chegar aqui), mas o farei o mais rápido possível. A única tristeza será diminuir os carboidratos na alimentação, mas... Só para enfatizar como este artigo me esclareceu e aliviou.

    ResponderExcluir
  15. PODE USAR MEDIDA DE TEMPERATURA BASAL NO DIAG. DE HIPOTIROIDISMO?

    ResponderExcluir
  16. PODE USAR MEDIDA DE TEMPERATURA BASAL NO DIAG. DE HIPOTIROIDISMO?

    ResponderExcluir
  17. Acabei de ler um texto que diz que o tratamento com iodo é uma teoria que enseja várias dúvidas principalmente quanto as doses recomendadas cada indivíduo possui uma necessidade única. Eu tenho ficado bastante confusa. Só conto com a fé é seja o que Deus quiser me trato por conta própria tou fazendo exames por minha conta e risco e não tenho a quem recorrer num estado referência de saúde ninguém quer saber de curar só ter os pacientes como dependentes de remédios

    ResponderExcluir
  18. Acabei de ler um texto que diz que o tratamento com iodo é uma teoria que enseja várias dúvidas principalmente quanto as doses recomendadas cada indivíduo possui uma necessidade única. Eu tenho ficado bastante confusa. Só conto com a fé é seja o que Deus quiser me trato por conta própria tou fazendo exames por minha conta e risco e não tenho a quem recorrer num estado referência de saúde ninguém quer saber de curar só ter os pacientes como dependentes de remédios

    ResponderExcluir
  19. Boa tarde! Tem como você me enviar as fontes bibliográficas que você utilizou para afirmar que o bromo, cloro e flúor podem originar hormônios da tireoide inativos? nutriapmoraes@gmail.com

    Muito obrigada desde já!

    ResponderExcluir
  20. De volta a este blog e gostaria de saber da dra quais as dosagens de vitamina b6,b12 e ácido fólico na suplementação com lugol

    ResponderExcluir
  21. De volta a este blog e gostaria de saber da dra quais as dosagens de vitamina b6,b12 e ácido fólico na suplementação com lugol

    ResponderExcluir
  22. De volta a este blog e gostaria de saber da dra quais as dosagens de vitamina b6,b12 e ácido fólico na suplementação com lugol

    ResponderExcluir
  23. De volta a este blog e gostaria de saber da dra quais as dosagens de vitamina b6,b12 e ácido fólico na suplementação com lugol

    ResponderExcluir